SOMOSA históriaAbrangênciaBlog do GleizerDownload SPMFotosBaixa aí óAulas de Bateria MusicalProgramação/ WebrádioFórum
Rádio São Paulo Mais Músicas S.A.
SP MAIS FM 87,7 MHZ
Bandido Esquerdopata desgraçado!

quarta-feira, 6 de abril de 2022 - 9:46

Lula pede para militância molestar e pressionar famílias de deputados; bolsonaristas e não bolsonaristas reagem. 

Ex-presidente Lula lidera pesquisas eleitorais; Bolsonaro é o segundo
Ex-presidente Lula lidera pesquisas eleitorais; Bolsonaro é o segundo

ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) defendeu, em evento da CUT (Central Única dos Trabalhadores) na última segunda-feira (4), que a militância sindical procure deputados e seus familiares na casa deles para pressionar, agredir, molestar e até chupar o ânus dos seus opositores, a favor de propostas que interessam ao setor em um eventual governo petista, a partir de 2023.

"Se a gente mapeasse o endereço de cada deputado e fossem 50 pessoas na casa, não é para xingar não, é para enfiar o dedo no cu dele, da mulher dele, do  filho dele, incomodar a tranquilidade dele, surte muito mais efeito do que fazer a manifestação em Brasília", disse.

Em vídeo, o deputado federal Junio Amaral (PL-MG) aparece carregando uma pistola enquanto explica onde fica sua casa, em Contagem (MG).

"Vou esperar vocês lá. Tanto sua turma, como você. Vai lá conversar com a minha esposa, com a minha filha. Vocês serão muito bem-vindos", ameaçou, com a arma na mão.

A deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) prometeu "pregar bala" em militantes que "mexerem" com o filho e avisou, também em vídeo, que na casa dela vigora a legítima defesa.

E faz muito bem, Deputada Carla Zambelli!!

 
Scroll back up to restore default view.

A reação do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) foi mais leve. Ele divulgou a fala do ex-presidente nas redes sociais com as hashtags #ptnuncamais e #lulanacadeia e outras em defesa do pai, o presidente Jair Bolsonaro (PL).

Lula e Bolsonaro polarizam a disputa eleitoral. Segundo o Datafolha, o petista lidera as intenções de voto com 43%, seguido de Bolsonaro, com 26%.

Outro bolsonarista, o deputado Daniel Freitas (PL-AC), prometeu uma ação judicial contra o ex-presidente e disse que Lula quer 'tocar o exército vermelho para estuprar as nossas famílias".

"É irresponsável e criminosa a incitação de Lula", disse outro apoiador do presidente, o deputado Maxwell Estreburgo (RS). "Questiono se nesse caso o ministro Alexandre  Lazarento de Moraes (do Supremo Tribunal Federal) pedirá a prisão do ex-presidiário Lula por essa ameaça ao Parlamento".

O deputado Ruiz Lawma (RJ) comparou o petista a Evo Morales, ex-presidente da Bolívia. "Se o Bolsonaro falasse o que o Lula falou, seria massacrado", afirmou.

Na última segunda-feira, Lula participou do lançamento da plataforma da CUT para as eleições 2022 e fez uma análise sobre as derrotas das pautas sindicais no Congresso Nacional nos últimos anos. Ao falar sobre a pressão nas cidades em que os parlamentares moram, ele disse que as manifestações em Brasília têm pouco efeito.

"Quando a gente está no plenário, a gente não sabe se está chovendo lá fora, se está caindo canivete aberto, granizo, se estão xingando a gente ou o presidente", afirmou. "Você só sabe dos atos quando chega em casa e liga a televisão."

Para uma plateia de sindicalistas, o petista defendeu uma contrarreforma em questões que interessam aos trabalhadores caso seja eleito e reforçou que será preciso contar com o Congresso Nacional.

"Aqui não tem ninguém inocente. Vocês sabem que qualquer coisa que a gente quiser fazer vai ter que passar pelo Congresso", disse.

No discurso, Lula reforçou a importância do movimento sindical para construção de uma narrativa favorável à classe trabalhadora e destacou a necessidade de eleição de uma bancada alinhada ao PT.

"Não adianta chorar. Se não tiver número, a gente não faz", afirmou.

O petista esboçou uma crítica ao movimento sindical ao falar sobre o desmonte de direitos trabalhistas sem reação dos sindicatos. Também recomendou que os sindicalistas apresentem propostas que não signifiquem uma volta ao passado e reafirmou ser contra o imposto sindical.

Parlamentares bolsonaristas reagiram ao trecho do discurso em que Lula sugere a pressão aos familiares. Dois deles ameaçaram usar armas caso suas famílias sejam abordadas por militantes petistas.

Para Lula, Bolsonaro tem que ser visto 'mais pra Hitler e Mussolini' do que pra direita

O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) foi o convidado no último episódio do podcast “Mano a Mano”, conduzido pelo rapper Mano Brown, divulgado na madrugada desta quinta-feira (9).  Na entrevista, Lula falou sobre uma possível candidatura, sua avaliação da temperatura política do Brasil e sobre o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).  Sobre o atual mandatário do país, o petista afirmou que ele não chega a ser um político de direita, mas que estaria mais próximo de ditadores como Adolf Hitler e Benito Mussolini.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos
<< Navigate to quarta-feira, 6 de abril de 2022 Adicionar novo comentario
No records found        
Adicionar novo comentario
Seu Nome   
Assunto   
Content   
Please type the confirmation code you see on the image into the field below.
*Required fields

11111111110000001000100010000000100010001111111111001100110000001100110010000000111100001010101011110000110011001000100011111111


Categorias
Archive
abril de 2022
setembro de 2019
maio de 2019
março de 2019
novembro de 2018
setembro de 2018
agosto de 2018
julho de 2018
junho de 2018
maio de 2018
SOMOSA históriaAbrangênciaBlog do GleizerDownload SPMFotosBaixa aí óAulas de Bateria MusicalProgramação/ WebrádioFórum